Enquanto designer, as clientes estão no centro da minha atenção | Miss Mary of Sweden
Passar para o conteúdo principal
Refunded Returns

Enquanto designer, as clientes estão no centro da minha atenção


Como é trabalhar como designer de lingerie? Neste número, a designer e modelista Marie-Louise Asphäll explica-nos como uma coleção vê a luz do dia. Procuramos também saber se tem algumas peças preferidas. Isto e muito mais é o que pode ler na entrevista que passamos a publicar.

Se adquiriu um soutien da Miss Mary nos últimos anos, é muito provável que tenha sido criado por Marie-Louise Asphäll, a designer e modelista que trabalha na Miss Mary há cerca de 10 anos. No seu caderno de encargos consta a responsabilidade sobre todas as novas coleções da marca, juntamente com as colegas Anne Nero e Inge-Marie Axelsson, igualmente designers e modelistas. É um trio que goza do carinho e do reconhecimento de todas nós que trabalhamos na Miss Mary. Decidimos encontrar a Marie-Louise para que nos explicasse os segredos do ofício, ou seja, os requisitos necessários para criar um soutien de qualidade.


A Marie-Louise com dois dos seus soutiens preferidos da coleção da Miss Mary.

COMO É UM DIA DE TRABALHO NORMAL NA MISS MARY?
Provo uma ou várias das minhas peças numa colega ou numa das mulheres que costumamos convidar para o efeito. Se a peça não assentar como desejamos, faço os retoques necessários e um novo corte no mesmo tamanho que entrego depois ao nosso departamento de costura. Se assentar bem, sento-me ao computador e construo o tamanho de copa seguinte. Somos três designers/modelistas e trabalhamos todas com vários modelos simultaneamente.

”No meu trabalho como designer, as clientes estão no centro da atenção.”

O QUE TE AGRADA MAIS NO TEU TRABALHO?
É uma pergunta difícil, pois gosto de todos os momentos. Todas as tarefas têm um início e um fim bem definidos. Cada peça e cada coleção são projetos separados. Criar uma nova coleção tem tanto de estimulante como de exigente. Recolhemos informações e procuramos novas ideias e inspiração a fim de construir uma coleção que pensamos ir ao encontro dos desejos e expectativas das clientes. Temos em conta inúmeros aspetos, os materiais, a gama de tamanhos, o tipo de modelos, etc. Trabalhar com o corte é também um processo divertido. Começamos depois das fotografias das amostras estarem prontas. No departamento, trabalhamos muito próximas umas das outras. Trocamos ideias e sugestões, pois a nossa ambição é obter o melhor resultado possível. É ótimo trabalhar num lugar sem problemas de egos. Não falamos em termos de “eu” ou “meu”, mas sim de “nós” e “nosso”. Esta atitude cria uma atmosfera fantástica.

O QUE FAZIAS ANTES DE COMEÇAR NA MISS MARY?
Tirei o curso de técnica de design na Escola Internacional dos Têxteis, na Universidade de Borås. Fiz depois um curso de design de moda, de um ano, na mesma escola. Antes disso, morava em Estocolmo. Tive um atelier de costura próprio durante vários anos. Sou também modista de formação. Além do setor da moda, trabalhei na área de design de interiores, como assistente de redação em revistas da especialidade e como designer independente.

”Não falamos em termos de ‘eu’ ou ‘meu’, mas sim de ‘nós’ e ‘nosso’.”

É INVULGAR TRABALHAR COMO DESIGNER E MODELISTA. QUAL É A VANTAGEM E O DESAFIO DE EXERCER AS DUAS FUNÇÕES EM CONJUNTO?
A vantagem é que conhecemos e compreendemos todo o processo. Como designer, é extremamente útil saber desenhar padrões e desenvolver um corte. Sabemos quais são os cortes que vão funcionar num corpo. Isto é muito importante na confeção de roupas que vão ser usadas justas ao corpo e com a função de apoiar e levantar. É também muito divertido acompanhar o desenvolvimento de uma ideia, desde o primeiro esboço ao produto acabado. O único senão é o risco de não ousarmos tomar algumas liberdades no processo de design, pois temos sempre em mente a própria produção. Como vai a peça funcionar nos tamanhos grandes, por exemplo? Talvez nos inibimos inconscientemente pensando, por exemplo, “não, este corte não vai funcionar com este material”. Quer queiramos, quer não, pensamos no aspeto técnico logo no processo criativo. Desenhar modelos para as peças de outros designers é um desafio. Temos de encontrar uma solução, seja qual for a complexidade. Estou muito grata de poder dedicar-me a ambas as partes do meu trabalho. Gosto de desafiar-me a mim mesmo. Felizmente, aqui nunca te aborreces.

“É divertido acompanhar uma peça desde a ideia às amostras em todos os tamanhos.”


As designers e modelistas da Miss Mary: Marie-Louise, Anne e Ing-Marie.

NO DEPARTAMENTO DE DESIGN, VOCÊS SÃO TRÊS DESIGNERS/MODELISTAS. FAZES SEMPRE OS MOLDES PARA OS TEUS MODELOS OU VOCÊS ALTERNAM?
Nós concebemos uma série de modelos que depois dividimos em duas coleções. Como não controlamos quantos modelos vão fazer parte de cada coleção (ocupamo-nos de várias coleções simultaneamente), trabalhamos, naturalmente, com os modelos umas das outras. É igualmente interessante. É divertido acompanhar uma peça desde a conceção até às amostras de todos os tamanhos, mas é importante estar recetiva aos contributos e pontos de vista de outras pessoas sobre o nosso trabalho. Trata-se de dar e receber de parte a parte, sem qualquer prestígio envolvido. Colaboramos muito umas com as outras. Quando provamos os modelos, reunimo-nos todas na sala de provas e observamos e avaliamos. Há um bom equilíbrio e é isso que torna o trabalho tão divertido. Combinamos o melhor de dois mundos.

 


O material é muito importante, pois afeta não só o aspeto da peça, mas também a funcionalidade.

PORQUE É TÃO DIFÍCIL FAZER MOLDES PARA SOUTIENS? ESTÁ-SE SEMPRE A APRENDER?
Trabalhamos com uma precisão milimétrica. Fazemos os moldes e o corte das amostras que as nossas técnicas de costura cosem.

É um trabalho de equipa, em estreita colaboração. Os materiais têxteis comportam-se de maneira diferente quando são costurados. Mesmo que o molde seja perfeito, pode ser necessário fazer ajustes nas costuras para que tudo assente bem num modelo particular e com um tecido específico. É a mesma coisa quando construímos os moldes. Não podemos simplesmente copiar um modelo e usá-lo com um outro material. Em geral, temos de modificar o molde e o próprio corte. Portanto, estamos sempre a aprender.



A gradação dos tamanhos é um trabalho de precisão.

VÊ FREQUENTEMENTE AS SUAS CRIAÇÕES NO CORPO DE MULHERES?
Todos os dias! Em todo caso, nos dias em que provamos as peças, ou seja, quase todos os dias. Quando criamos novos modelos, trabalhamos sempre o corte em corpos de carne e osso. Nunca usamos manequins. Encontramos inúmeras mulheres que convidamos para servirem de modelo nas provas das novas coleções. É importante verificar como um soutien assenta no maior número possível de tipos de corpo diferentes. Mesmo em duas mulheres com o mesmo tamanho de soutien, nota-se uma diferença. Trata-se de encontrar um ponto de equilíbrio. Nós, as modelistas, assistimos sempre às provas das amostras. O soutien deve ser igualmente confortável e elegante em todos os tamanhos. As mulheres do painel de teste levam os soutiens para casa, usam-nos e lavam-nos como de costume. Dão-nos o seu feedback e nós ajustamos a construção se for necessário.

Aqui, em Borås, trabalham cerca de 20 mulheres e nós conhecemos o tamanho de soutien de cada uma delas. Quase todas provam os novos modelos. Acontece, por vezes, que alguém levanta inesperadamente a sua camisola para comentar algo sobre o soutien que tem vestido. Para nós, isso é perfeitamente natural, mas compreendo que surpreenda uma recém-empregada ou alguém que esteja de visita.  

”Ter a costura das amostras no nosso atelier assegura a qualidade que prometemos.”
 

NA MISS MARY, A COSTURA DAS AMOSTRAS É FEITA NO SEU PRÓPRIO ATELIER. ISSO É IMPORTANTE PARA O TEU TRABALHO?
É muito importante. Assegura a qualidade que prometemos às nossas clientes. O meu local de trabalho está ao lado da sala de costura, onde trabalham a Eivor e a Marie, as nossas técnicas de costura. Mantemos uma colaboração muito estreita e dependemos umas das outras. É uma vantagem desenhar e fazer os moldes e ter a peça costurada pouco depois. É um luxo! Ajuda-me muito, em vez de ter de enviar os moldes para a unidade de produção e esperar imenso tempo pelas amostras das peças.

É PRECISO SABER COSTURAR PARA SER DESIGNER?
Não, mas não é um inconveniente, como é óbvio. Todas as pessoas têm as suas funções e contribuem com as suas competências. As técnicas de costura ajudam-nos muito com o seu feedback. Depende também da empresa onde se trabalha e do cargo que se ocupa. Pessoalmente, beneficio muito do facto de saber costurar, embora não cosa um único ponto no trabalho.

”Trabalham cerca de 20 mulheres aqui e nós conhecemos o tamanho de soutien de cada uma”


Marie-Louise trabalha com todas as etapas do processo, desde a escolha dos materiais à criação dos moldes.

O CONHECIMENTO DOS MATERIAIS É IMPORTANTE PARA UMA DESIGNER OU MODELISTA?
É muito importante para ambas as funções. Nesta profissão, é necessário pensar tridimensionalmente. Enquanto peça de vestuário, o soutien tem a função de sustentar o peito, além de o cobrir. Isso implica um entendimento aprofundado de como os materiais funcionam. Um mesmo soutien é composto por vários tipos de material diferentes.

O FEEDBACK DAS CLIENTES É IMPORTANTE?
Sem dúvida! É evidente que queremos saber o que as clientes pensam dos nossos produtos. A nossa ambição é que apreciem o nosso design e o corte das peças. É para elas que trabalhamos.

HÁ ALGUMA DIFERENÇA ENTRE O TEU GOSTO PESSOAL E AS PEÇAS QUE CRIAS?
Sim, há. No meu trabalho como designer, concentro-me nas necessidades e preferências das clientes da Miss Mary. Mas é claro que tenho as minhas preferências pessoais.

SE TIVESSES QUE ESCOLHER TRÊS PEÇAS FAVORITAS PARA USAR, QUAIS SERIAM? DÁS PREFERÊNCIA ÁS TUAS CRIAÇÕES OU AOS TEUS MOLDES?


Soutien Confident Spacer com armação e alças multiway.

O soutien CONFIDENT com copas Spacer é, definitivamente, o meu preferido. Tem um estilo simples e elegante, sem quaisquer floreados. Pessoalmente, prefiro as copas moldadas com um ligeiro acolchoamento, como nesse soutien. Sinto-me então mais confortável. Além disso, adoro o material Spacer. É muito agradável. O acolchoamento é ventilado e, consequentemente, nunca fica quente. É uma criação da nossa antiga diretora de design, a Tarja-Mari, enquanto que eu fiz os moldes.


O soutien com armação Floral Sun é o resultado de uma parceria exclusiva com o designer Lars Wallin.

Um outro favorito é o soutien FLORAL SUN que criamos em colaboração com Lars Wallin. Ele é o autor do design, enquanto que a Anne responsabilizou-se pelos moldes e o corte. Adoro ambas as versões de cor (azul e vermelho), mas se tivesse de escolher, selecionaria o vermelho. O bordado é maravilhoso, bem como os bonitos pormenores em renda que transparecem ao longo do bordo das copas.


 Soutien com armação JOY com costuras rebatidas e acolchoamento leve nas copas.

JOY é o meu terceiro soutien preferido. É inteiramente almofadado e, portanto, um favorito lógico. As copas não são moldadas, mas as costuras são tão de tal modo planas que praticamente não se notam sob uma camisola. Proporcionam um formato e uma elevação que primam pela elegância. As copas têm um corte perfeito. O estilo é intemporal, mas muito, muito moderno. De tempos a tempos, o soutien Joy surge em novas versões ligeiramente diferentes. Chegamos a adorná-lo com renda e com um tecido floral. É da autoria da Tarja-Mari. A Ing-Marie fez os moldes e o corte.

5 PERGUNTAS RÁPIDAS

SOUTIEN T-SHIRT OU COPAS COM COSTURAS
Pessoalmente, prefiro vestir um soutien t-shirt, mas profissionalmente é mais divertido trabalhar com copas com costuras, pois permite variar e combinar os materiais indefinidamente. Adoro isso.

COR BASE OU MULTICOR?
Uso praticamente só roupa preta, mas trabalhar com cores é mais divertido.

BIQUÍNI OU FATO DE BANHO?
Na praia, prefiro usar um biquíni, mas profissionalmente prefiro fazer um fato de banho.

BODY OU SOUTIEN + CUECAS
Em privado e como designer prefiro a combinação soutien + cuecas.

COM OU SEM ACOLCHOAMENTO?
Em privado, uso apenas copas almofadadas, mas no trabalho é mais divertido trabalhar com copas sem acolchoamento. É mais estimulante e exige mais.

Leia mais sobre o nosso departamento de design e a arte de criar um soutien num dos nossos anteriores artigos. Se deseja colocar alguma pergunta à Marie-Louise ou a alguma das suas colegas da equipa de design, use o campo de comentários abaixo.

Adicionar novo comentário

Plain text

  • Não são permitidas tags HTML.
  • Endereços de páginas web e endereços de email são transformados automaticamente em ligações.
  • As linhas e os parágrafos quebram automaticamente.