NO GUARDA-ROUPA DA MISS MARY - DE ESPARTILHOS A PELO DE CAMELO | Miss Mary of Sweden
Passar para o conteúdo principal
Refunded Returns

NO GUARDA-ROUPA DA MISS MARY - DE ESPARTILHOS A PELO DE CAMELO

Sabia que a MISS MARY fabrica roupa interior de qualidade há mais de 60 anos? Acompanhe-nos nesta retrospetiva nostálgica sobre uma época divertida e, por vezes, um pouco louca: a década de 1970.

A primeira coleção de roupa interior da Miss Mary viu a luz do dia em 1962 e, a partir daí, a gama de produtos da marca não parou de crescer. A Miss Mary ganhou reputação pelos seus espartilhos e soutiens firmes e com ótimo suporte, mas a gama incluía também outra roupa interior, como, cuecas, cintas e combinações. De salientar as peças benéficas para a saúde, como, as meias elásticas e o vestuário térmico.

SOUTIENS DE TODAS AS FORMAS, MAS NUMA GAMA DE TAMANHOS LIMITADA
A Miss Mary lançou os primeiros soutiens t-shirt da marca já nos anos 70. A designação “t-shirt” não era usada na altura, mas o soutien com as suas copas moldadas lisas e sem costuras desempenhava a mesma função



Um tipo de soutien muito popular nas décadas de 1960 e 1970 era o soutien com construção em cruz. Nos anos 70, lançámos um modelo com botões de pressão muito práticos na frente. O soutien deve o seu nome à construção em X que separa o peito.



Os soutiens push-up foram introduzidos na nossa coleção já nos anos 60, mas nessa altura eram conhecidos por “soutiens de enchimento”. Eram ainda populares nos anos 70 e aproveitámos para os promover de uma forma mais alegre, como se pode ver na imagem abaixo.

TAMANHOS DE COPA E SISTEMA DE TAMANHOS
Na década de 1960, tanto os soutiens como os espartilhos eram comercializados com os tamanhos de copa A-D. De um modo geral, esta era a gama de tamanhos adotada pelo setor de vestuário interior. No final da década de 70 introduzimos as copas DD para peitos volumosos e pesados. Face ao atual sistema de tamanhos para soutiens e espartilhos, a copa DD corresponde à copa E. Nos EUA e na Inglaterra usa-se ainda o tamanho de copa DD. Atualmente, a coleção da Miss Mary compreende tamanhos até à copa J.




Mas não eram apenas os tamanhos de copa que eram diferentes dos que hoje encontramos nos guias de tamanhos. Em algumas das nossas coleções de espartilhos usávamos dois sistemas de tamanhos distintos, um para mulheres com 1,63 m de altura ou mais e outro para mulheres de altura até 1,62 m.


Coleção Garanti para mulheres com 1,63 m de altura ou superior.


Coleção Garanti para mulheres de estatura não superior a 1,62 m.


PEÇAS DE SUPORTE ROBUSTAS
A nossa coleção de espartilhos mais conceituada era a coleção GARANTI, ilustrada nas duas imagens acima. Estes espartilhos foram um sucesso de vendas durante muitos anos. A denominação “Garanti” advinha da nossa garantia do espartilho reduzir a medida da cintura em pelo menos um tamanho. A coleção era confecionada com o mundialmente conhecido material suíço BALLY com Lycra®. Lycra® era o material de base em todos os espartilhos da Miss Mary. Nos anos 60 e 70, a cor predominante no vestuário interior era o branco, mas havia também peças em outras cores, como, em bege, cor-de-rosa e azul. Em 1972, introduzimos o nosso primeiro espartilho em tecido preto (ver a imagem acima).

Na estação seguinte lançámos uma nova coleção de espartilhos que conheceu um enorme sucesso, a coleção DE LUXE. Consistia de um corpete e de um corpete-calça fabricados em rede de LYCRA® muito fina e fresca e com um elegante desenho floral. Uma particularidade destas peças era o facto de terem uma cinta interior especialmente construída que moldava e adelgaçava a cintura em até 7 cm. Tal como a coleção GARANTI, as peças DE LUXE eram fabricados tendo em consideração as diferentes estaturas. Os corpetes LADY MARY destinavam-se às mulheres com 39 cm ou menos entre o peito e entrepernas, enquanto que as peças MISS MARY destinavam-se às mulheres de maior estatura.




Nem todos os espartilhos proporcionavam o mesmo efeito modelador ou possuíam o mesmo número de reforços que as coleções DE LUXE e GARANTI. Em meados da década de 70 lançámos um espartilho fabricado com o material BODYCARE, um tecido flexível, estirável em todas as direções e que proporcionava uma liberdade de movimentos total.



Na década de 1960, todos as nossas cintas e espartilhos tinham ligas de meias - fixas ou amovíveis - mas em 1976 introduzimos o nosso primeiro body sem ligas. Era em cor bege com estampado florido castanho, um padrão muito na moda nos anos 70.



Oferecíamos também bodies com copas moldadas. Estes bodies eram mais simples do que os espartilhos, os quais tinham um efeito modelador muito mais pronunciado.


 

ROUPA INTERIOR BENÉFICA PARA A SAÚDE
Na década de 70, iniciámos um programa de promoção da saúde que constava de uma série de roupa interior. As peças foram desenvolvidas em colaboração com o médico Erik Velander. Incluíam, entre outros, “as únicas meias elásticas de compressão em malha circular eficazes no plano médico”. As meias tinham uma garantia de três meses. Se tivessem uma malha caída, mesmo no uso diário, enviávamos um novo par de meias sem quaisquer custos adicionais. 



O programa de promoção da saúde contemplava também um soutien térmico que proporcionava um aquecimento benéfico dos músculos das costas e do pescoço. Constava-se que prevenia e contrariava a curvatura da coluna vertebral, bem como as dores e a sensação de fadiga nos ombros. O soutien era confecionado em tecido de licra com um bonito estampado floral. A série incluía também um espartilho de suporte que proporcionava uma melhor postura e descanso à zona dorsal.



A Miss Mary não vendia apenas vestuário interior para senhoras. A gama de produtos contemplava também roupa interior para homens. Uma cinta-cueca para homens, introduzida no final dos anos 60, era comercializada nos anos 70 sob a designação Mr. M. Prometia tanto a prevenção como a atenuação das dores nas costas!



Os materiais das nossas peças de vestuário eram da mais alta qualidade. A coleção GARANTI, por exemplo, era confecionada com o material suíço BALLY Lycra de renome mundial. Entre todos os materiais, havia, no entanto, um que sobressaía: o pelo de camelo genuíno utilizado na nossa coleção de vestuário térmico. Esta coleção constava de ceroulas, coletes, suportes térmicos para os ombros, meias, luvas de dedos cortados, joelheiras térmicas, cintas abdominais e cuecas. A lã de camelo era muito popular nos anos 70 devido às suas excecionais propriedades térmicas. Era aconselhada às pessoas que sofriam de reumatismo ou que estavam expostas ao frio e ao vento. Há poucas coisas que exprimem melhor os anos 70 do que essas peças de vestuário.



É fantástico ver como a moda muda com o decorrer dos anos. Se está interessada sobre a evolução da moda e do vestuário, aconselhamos que consulte o nosso primeiro artigo da série O GUARDA-ROUPA DA MISS MARY. Poderá ler e ver como era a nossa primeiríssima coleção de roupa interior lançada em 1962.

 

Adicionar novo comentário

Plain text

  • Não são permitidas tags HTML.
  • Endereços de páginas web e endereços de email são transformados automaticamente em ligações.
  • As linhas e os parágrafos quebram automaticamente.